CACHORROS DANÇANTES”
de e com Norberto Presta

"Quando eu era criança minha avó me contou a fábula dos cegos e do elefante. Três cegos estavam diante do elefante. Um deles apalpou a cauda do animal e disse: - É uma corda. Outro acariciou uma pata do elefante e opinou: É uma coluna. O terceiro cego apoiou a mão no corpo do elefante e adivinhou: - É uma parede. Assim estamos cegos, cegos de nós, cegos do mundo. A cultura dominante, cultura de desvínculo, quebra a história passada como quebra a realidade presente; e proíbe que o quebra-cabeças seja armado."
(Eduardo Galeano)

Baseado no conto de mesmo nome do autor, ator e diretor Norberto Presta, “Cachorros Dançantes” pretende confrontar - de modo poético - o público com a capacidade de recriar a realidade. Partindo do relato das peripécias de um morador de rua o espetáculo questiona as noções de preconceito, da aceitação do outro. Tema este recorrente na criação do autor, que já em outras produções traz para a cena histórias de marginalidade, transformando-as em material artístico, procurando um caráter poético sem perder de vista a observação e análise de realidades sociais e ficcionais que, dialogando, proporcionam delas outros níveis de compreensão. Deste modo “Cachorros Dançantes” se apresenta como um caleidoscópio onde fragmentos de distintas realidades formam uma imagem que as sublima, permitindo leituras e apreciações originais. Propõe-se com este espetáculo um exercício onde realidade e arte se completam.

Utilizando a interface entre dança, teatro, música, literatura e áudio visual cria-se uma dramaturgia que, partindo da palavra escrita, gera imagens durante a performance para confrontar o espectador com fragmentos da história dum morador de rua, cuja trajetória de vida é narrada como uma metáfora que apresenta as possibilidades de criação e recriação de si. Buscando reconstruir o seu passado, esta figura inicia um processo de reconquista da própria memória e da própria identidade enquanto decide voltar à casa em que nasceu e que teve que abandonar quando do suicídio do próprio pai.
Na criação do seu sexto espetáculo solo, próximo aos 60 anos de idade e com mais de 40 anos de trajetória profissional vividos entre Argentina, Alemanha, Espanha, Itália, Suíça e Brasil; Norberto Presta coloca seu corpo como território de pesquisa, desenvolvendo e aprofundando um mecanismo peculiar de construção dramatúrgica que desliza entre as linguagens da dança e do teatro. Pesquisador da cena teatral e de seu potencial de intervenção na realidade que o circunda, Norberto é responsável por toda a concepção do espetáculo, contando com uma equipe de profissionais que fazem a supervisão técnica de cada uma das linguagens por ele apropriadas. Indagando a sua própria memória física o ator cria uma sequência de ações em dança que perpassa uma instalação áudio visual; o corpo e a voz presenciais do performer dialogam com o espaço virtual criado pelas imagens de dois projetores. Um dos projetores é utilizado pelo performer como elemento cênico, projetando imagens produzidas em tempo real, durante a cena. O segundo projetor reproduz um filme criado apositivamente, tecendo assim uma dramaturgia de imagens e sons que confrontadas com as outras dramaturgias logram uma tessitura dramatúrgica original. Assim, entre realidade ficcional e realidade objetiva, o espetáculo desenvolve uma linguagem cênica que dispara possibilidades de novas interpretações, para que a ficção e o real se complementem gerando uma visão mais ampla da vida.

Autor, ator e diretor: Norberto Presta
Direção de movimento Andrea Elias
Assistência vídeo: Germán Wiener
Assistência texto falado: Francis Ivanovich
Tradução: Andrea Elias e Francis Ivanovich
Produção: Trânsito Produções Culturais em co-produção com o festival “Oldenburger Kultursommer” (Alemanhia)
Apoio: Consulado Argentino in Rio de Janeiro
Duração: 60 minutos

Acompanha esta montagem a publicação do conto que a originou, dando possibilidade ao espectador de desfrutar da literatura em diálogo com as memórias do espetáculo.

Necessidades de Palco:
Palco italiano com varas superiores para fixação do cenário e luz. Medida (ideal) de utilização de palco: 7 metros de largura por 5 metros de profundidade, com linóleo (se fosse possível cinza ou branco) em toda a extensão do palco.
Durante o espetáculo são projetadas imagens com um aparelho data-show numa tela de tecido pendurada no fundo do palco, com a medida de 7m de largura e 2,50 metros de altura.
Iluminação básica:15 Fresnel de 1000 W
03 Set Light
Tempo de duração para a montagem e desmontagem:
Montagem: 6 horas.
Duração da desmontagem: 1 hora.
- É necessária uma tomada de 127 V na boca de cena, no lado esquerdo da plateia.
- Mesa de som.


NORBERTO PRESTA www.norbertopresta.blogspot.com

Ator, diretor, pedagogo e escritor teatral ítalo-argentino, fundador do Centro di Produzione Teatrale "Via Rosse" (Itália). Iniciou sua atividade teatral em 1971, estuda na Escola Municipal de Arte Dramática e no Conservatório Nacional de Buenos Aires (Argentina), em 1981 participa do ISTA (International School of Theatre Anthropology) dirigido por Eugenio Barba.
Desde 1981, trabalha na Europa, Argentina e Brasil. Escreveu, dirigiu e interpretou numerosos espetáculos, participando de festivais na Itália, Áustria, Republica Tcheca, Espanha, México, Argentina, Brasil, Equador. Desenvolve intensa atividade formativa, colaborando com grupos teatrais em vários países: Alemanha, Itália, Argentina, Espanha, Brasil. Os temas sociais e políticos, num teatro onde a imagem e o corpo são protagonistas, fazem o conteúdo e a forma de seu trabalho.
Desde 2008 mora no Rio de Janeiro.

Na Europa como autor e diretor ganha os premios:
. Premio Impulse 1992 Nordheim – Westfalen por Terra Felicita (Regie – Kupturetage Oldenburg/Alemanha)
. 1997 Se estreia Schimmelreiter em Landesbuehne Niedersachsen (Alemanha) Versão escrita por Norberto Presta do conto de Theodor Strom.
. 1998 “Das Haus” (Vence o Premio nacional de escritura teatral “Münsteraner Autorenpreis“ (estreia: Teatro da cidade de Münster/Alemanha)
. 2000 “Ella y él“. Com VIA ROSSE (estreia: festival PONTI, Este) Premio de melhor espetáculo “M.Apostroff99” em Praga,2002

No Brasil merecem destaque suas atividades junto à Unicamp (Campinas) onde atuou como pesquisador convidado dirigindo os espetáculos "O que seria de nos sem as coisas que não existem", do Grupo Lume Teatro e “Fuga!” um projeto do Núcleo Fuga em parceria com Lume Teatro; no projeto “EXTRANJIS” com o ator Ieltxu Martinez Ortueta (SP); a direção dos espetáculos de dança “Clariarce” e “Cá entre nós”, com Jussara Miller (SP), e “Esther Williams não quer mais nadar”, com Andrea Elias (RJ).

Em sociedade com Andrea Elias funda no Rio de Janeiro a “Trânsito Produções Culturais”, com a qual realiza os projetos “O Corpo Entre a Dança e o Teatro” (contemplado pelo edital de ocupação do Teatro Cacilda Becker/RJ) e “Arte – Pedagogia – Política: Ações Cooperativas” (contemplado pelo edital Funarte de Residências Artísticas em Artes Cênicas 2010).

CANI DANZANTI”
Spettacolo di e con Norberto Presta

 Nella creazione del suo sesto spettacolo solo, a quasi 60 anni di età e oltre 40 di vita professionale vissuta tra Argentina, Germania, Spagna, Italia, Svizzera e Brasile, Norberto Presta pone il suo corpo come territorio de ricerca e di investigazione, sviluppando e approfondendo un personale meccanismo di costruzione drammaturgica che scivola tra i linguaggi della danza e del teatro.

Situandosi in uno spazio compreso tra la danza, il teatro, la musica, la letteratura e il video, concepisce uno spettacolo che partendo dalla parola scritta, genera immagini che si manifestano allo spettatore come frammenti di vita di un uomo senza casa, un “morador de rua”1 (abitante di strada); storia utilizzata come metafora per presentare le possibilità di creazione e ri-creazione di se stesso e della propria realtà.
Tentando di ricostruire il suo passato, il personaggio inizia un processo di recupero della propria memoria e della propria identità, quando decide di ritornare nella casa dove nacque e che dovette abbandonare dopo il suicidio del padre.

All’interno di una installazione video, il corpo e la voce dell’attore dialogano con lo spazio virtuale creato dalle immagini di due proiettori. Uno dei proiettori è utilizzato dall’interprete come elemento scenico, proiettando immagini prodotte in tempo reale, durante la scena. Il secondo proiettore riproduce un filmato creato per lo spettacolo, tessendo così una drammaturgia di immagini e suoni che confrontata con le altre drammaturgie acquista una trama originale. Così che tra la realtà fittizia e la realtà oggettiva, lo spettacolo sviluppa un linguaggio scenico che scatena possibili nuove interpretazioni, perché la finzione e la realtà si completino generando una visione più ampia della vita.

Cani Danzanti” si basa interamente nell’omonimo racconto dell’autore, attore e regista Norberto Presta.
Accompagna questo montaggio la pubblicazione del racconto del quale ha avuto origine, dando allo spettatore la possibilità di gioire della lettura in dialogo con le memorie dello spettacolo.

Autore, attore e direttore: Norberto Presta
Direzione di movimento Andrea Elias
Consulenza video: Germán Wiener
Traduzione: Paolo Cattaneo, Arianna Buson, Sabine Uitz.
Una produzione di Trânsito Produções Culturais (Brasil)
in collaborazione con il festival “Oldenburger Kultursommer” (Germania)
Patrocinio: Consolato Argentino in Rio de Janeiro
Durata: 60 minuti
Scheda tecnica
Spazio scenico minimo: 5 x 6
Totalmente oscurabile.
Illuminazione: 10 PC 650 watt con dimmer
Amplificazione audio con entrata per computer.



Attore, regista, insegnante e drammaturgo italiano-argentino, fondatore del Centro di Produzione Teatrale "Via Rosse" (Italia). Ha iniziato la sua attività teatrale nel 1971, ha studiato presso la Civica Scuola di Arte Drammatica e il Conservatorio Nazionale di Buenos Aires (Argentina) nel 1981 ha partecipato alla ISTA (International School of Theatre Anthropology) diretta da Eugenio Barba.
Dal 1981, ha lavorato in Europa, Argentina e Brasile. Ha scritto, diretto e interpretato numerosi spettacoli, partecipando a festival in Italia, Austria, Repubblica Ceca, Spagna, Messico, Argentina, Brasile, Ecuador. Sviluppa una intensa attività formativa, lavorando con gruppi di teatro e di danza in diversi paesi: Germania, Italia, Argentina, Spagna, Brasile. Le questioni sociali e politiche in un teatro in cui i protagonisti sono l'immagine del corpo a rendere il contenuto e la forma del suo lavoro.
Dal 2008 vive a Rio de Janeiro.

In Europa come autore e regista vince i premi:
. Impulse Award 1992 Nordheim - Westfalen da congratula Terra (Regie - Kupturetage Oldenburg / Germania)
. Se Schimmelreiter debutto nel 1997 Landesbuehne Niedersachsen (Germania) versione scritta da Norberto Presta racconto di Theodor Strom.
. 1998 "Das Haus" (Premio Nazionale vince per la scrittura teatrale "Münsteraner Autorenpreis" (premiere: Teatro della città di Münster / Germania)
. 2000 "Ella y él". Con VIA ROSSE (anteprima: PONTI festival, Est) Premio per il miglior spettacolo "M.Apostroff99" di Praga, 2002

In Brasile lavora nella Unicamp (Campinas), dove ha prestato servizio come ricercatore ospite dirigendo gli spettacoli "O que seria de nós sem as coisas que nao existem," con Lume Teatro e "Fuga", un progetto do nucleo FUGA in collaborazione con Lume Teatro. Dirige o progetto "EXTRANJIS" con l'attore Ieltxu Ortueta Martinez (SP), e gli spettacoli di danza "Clariarce" e "Cá Entre Nós", con Jussara Miller (SP), e "Esther Williams nao quer mais nadar "con Andrea Elias (RJ).
In collaborazione con Andrea Elias fonda em Rio de Janeiro "Trânsito Produções Culturais", con la quale realizza progetti "O corpo entre a Danza e o Teatro" (Teatro Cacilda Becker / RJ) e "Arte - Pedagogia - Politica: Azione Cooperativa "(FUNARTE Residency Arts nel 2010).
1 Senza tetto, o senza casa, è una persona che non ha un indirizzo permanente, essendo la sua residenza i luoghi pubblici di una città.
CACHORROS DANZANTES
- TANZENDE HUNDE -
von und mit Norberto Presta
 Ein Obdachloser, ein Mann ohne Zuhause, versucht, seine Vergangenheit zu konstruieren.
Als er beschließt, in das Haus zurückzukehren, in dem er geboren wurde und das er nach dem Selbstmord seines Vaters verlassen musste, beginnt er mit einem Prozess der Wiedererlangung des Gedächtnisses und seiner Identität,

Diese von der gleichnamigen Erzählung ausgehende Geschichte, wird von Norberto Presta in einer theatralischen Sprache erzählt, die Tanz, Theater, Musik, Literatur und Videoart verbindet.
Er gestaltet Bilder, die sich einerseits im Zuschauer wie Lebensfragmente eines Mannes ohne Zuhause manifestieren. Doch die Geschichte eines Obdachlosen ist auch eine Metapher, um die Möglichkeit der Neuerschaffung der eigenen Person und der eigenen Realität zu zeigen.
In einer Videoinstallation interagieren der Körper und die Stimme von Norberto Presta mit dem virtuellen Raum, der durch projizierte Bilder erstellt wird. Doch es gibt verschiedene Ebenen: auf einer wird die Videoprojektion als szenisches Element verwendet, indem während des Stückes Bilder in Echtzeit projeziert werden. Auf einer zweiten Ebene wird ein eigens für das Stück gedrehter Film gezeigt.
Dies erschafft so eine Dramaturgie der Bilder und Klänge, die sich mit den anderen theatralischen Elementen konfrontiert und so das eigentliche Stück erschafft.
Autor, Schauspieler und Regisseur: Norberto Presta
Bewegungsregie: Andrea Elias
Beratung Video: Germán Wiener
Übersetzung: Sabine Uitz.
Eine Produktion von Trânsito Produções Culturais (Brasilien)
In Zusammenarbeit mit dem “Oldenburger Kultursommer”
Schirmherr: Argentinisches Konsulat in Rio de Janeiro
Dauer: 60 Minuten

"Cachoros danzantes“ - Tanzende Hunde -
basiert auf der der gleichnamigen Kurzgeschichte von Norberto Presta.
Sie ist auf Spanisch, Portugiesisch und Italienisch erhältlich.

Der italienisch - argentinische Schauspieler, Regisseur, und Author beginnt 1979 seine Theateraktivitaet.
Er wird an der Escuela Municipal de Arte Dramatica und am Conservatorio Nacional in Buenos Aires (Argentinien) als Schauspieler ausgebildet.
1981 nimmt er in Volterra (Italien) an der ISTA (International School of Theatre Anthropology, Direktor: Eugenio Barba) teil und ist seitdem in Europa und Lateinamerika als Theaterschaffender tätig.
1991 gruendet er zusammen mit Sabine Uitz das Theaterzentrum VIA ROSSE in Italien.
Er ist Autor zahlreicher Theaterstuecke und Erzaehlungen, die oft auch von ihm selbst inszeniert und gespielt werden, u.a. das Theaterstueck “Das Haus”, das den Muensteraner Autorenpreis” gewinnnt und mit der Regie von Presta am Stadttheater von Muenster produziert wird.
Als Schauspieler nimmt er an zahlreichen internationalen Festivals in Italien, Deutschland, Österreich, Tschechische Republik, Spanien, Mexiko, Argentinien, Brasilien und Ecuador teil.
Im Jahre 2000 gewinnt er zusammen mit Sabine Uitz mit dem Stück LEI E LUI den Theaterpreis im Festival “M.Apostroff99” in Prag.
In Deutschland realisiert er als Regisseur Inszenierungen mit freien Gruppen (u.a. Missfits, Theater Rootsloeffel), sowie an Stadttheatern (Stadttheater Potsdam, Wilhelmshaven, Münster und Konstanz).
Von 1987 bis 1994 arbeitet er als Hausregisseur des damaligen Ensembels der Kulturetage Oldenburg. 1992 wird seine Inszenierung TERRA FELICITA mit dem Ensemble der Kulturetage zur IMPULSE THEATERBIENNALE eingeladen.
Seit 2003 arbeitet er verstaerkt in Brasilien in Zusammenarbeit mit Theater- und Tanzgruppen (u.a. LUME TEATRO, Jussara Miller, Ieltxu Ortueta Martinez, Andrea Elias), sowie in Theaterforschungsprojekten (u.a. Universität Campinas - FUGA).
Er lebt seit 2008 in Rio de Janeiro und gründet dort zusammen mit Andrea Elias "Trânsito Produções Culturais”, mit dem sie zahlreiche Kulturprojekte realisieren u.a. DER KOERPER ZWISCHEN TANZ UND THEATER – Teatro Cacilda Becker/Rio de Janeiro und “KUNST – PAEDAGOGIK – POLITIK – Funarte Residency Arts 2010.

"Liebling der Schmetterlinge"

Von und mit Norberto Presta video
Regie Lambert Blum

Die Geschichte eines russischen Revolutionärs, der vor seiner Exekution einen Brief an seine Frau schreibt. Aber erst 55 Jahre später wird seine Frau den Brief erhalten und ihrem totem Mann antworten.

Der russische Revolutionär Nikolaj Bucharin schreibt vor seiner Exekution im Jahre 1938 einen Brief an seine Frau. Diese Brief aber wird Anna 55 Jahre später erhalten. Erst dann wird sie ihrem toten Mann antworten können. Dieser Revolutionär, von Lenin „Der Liebling der Partei“ genannt und später von Stalin ermordet, war ein grosser Liebhaber zweideutiger Witze... und auch ein Liebhaber von Schmetterlingen.
Das Stuck erzählt di Liebesgeschichte von Nikolaj und seiner Frau Anna, aber auch die Geschichte eines Revolutionärs.
Ein Stuck über Liebe, über Revolution... und auch über Schmetterlinge.

Nicolai Ivanovich Bujarin:
Mitorganisator der Oktoberrevolution. Einer der führenden Theoretiker der Kommunistische Partei Russlands.

„Auf jedem Fall und egal welches Urteil, ich werde dich nach dem Gericht sehen, und deine Hände nehmen können und sie küssen.
Auf Wiedersehen, Liebe. Dein Nikolaj.“
15.1.1938

„Wiedersehen, Nikolaj!
Ich will dir sagen, dass ich es nie bereut habe, mein Leben mit deinem verbunden zu haben. Es ist unmoglich, dich zu vergessen.
Deine Annuschka.“
20.7.1992

"O PREDILECTO DOS LEPIDÓPTEROS"

De e com Norberto Presta
Direção Lambert Blum
video
Video Clip del espectáculo

A história de um revolucionário russo que escreve uma carta para sua mulher pouco antes de ser executato. Ela,porém,recebe a carta apenas 55 anos depois e só então pode responder a seu esposo.
Em 1938, pouco antes de ser executado, o revolucionário russo Nicolai Bujarin escreve uma carta para sua mulher Anna. Esta carta chegará às mãos de sua destinatária apenas 55 anos mais tarde e somente então Anna poderá dar uma resposta a seu marido assassinado.
Este homem rebelde, a quem Lenin definiu como “O Predileto do Partido” e que mais tarde foi eliminado por Satalin, era um amante de piadas de duplo sentido... e também um amante de borboletas.

O espetáculo conta a história de amor de Nicolai e de sua jovem amante Anna; e também a história de um revolucionário. Um espetáculo que trata de amor, de revolução e... de borboletas.

Nicolai Ivanovich Bujarin.
Foi um dos principais expoentes da revolução de outubro, mais tarde membro do Comitê Central e principal teórico do Partido Comunista Russo. Bujarin foi uma das vítimas da velha guarda bolchevique, que depois dos clamorosos processos de Moscou foram liquidados pelo regime Stalinista.


“Então eu tinha 42 anos e ela apenas 16...”

“...Como pode pretender Norberto que eu, Nicolai Bujarin, 55 anos de execução, suba em um palco para falar de borboletas? Eu sou um revolucionário, não apenas um amante..."

"...Nada é mais extraordinário do que essa metamorfose que transforma uma larva de aspecto repugnante em uma belíssima borboleta”

“... Os seres humanos nem sempre conseguem libertar-se de sua velha pele. Entre eles esta fantástica metamorfose acontece raramente..."
"...No futuro políticos, historiadores, filósofos, e hoje também um ator, buscarão resposta a esta pergunta... Porque permiti que me assassinassem?... "

O processo de Criação

Foi lendo o Jornal espanhol El País, enquanto morava na Alemanha, que Norberto Presta teve seu primeiro contato com as cartas de Nicholaj Bucharin e Anna. Apaixonado pelo tema, iniciou uma pesquisa histórica sobre a Revolução Russa, a vida desse grande revolucionário e sua paixão por borboletas. A partir de então, surgiu a segunda parte da pesquisa: como contar essa história real, sem perder-se nos fatos políticos; como contar a história humana de Nicholaj Bucharin. A imagem da metamorfose da lagarta motivou a pesquisa cênica e a criação das ações físicas do personagem, e foi utilizada como metáfora de um homem revolucionário que tenta se transformar e transformar o mundo.

Sozinho em cena, Norberto criou o texto a partir dessas pesquisas e de improvisações, contando com o diretor Lambert Blum para finalizar o espetáculo. A parceria com Blum iniciou-se com a montagem das peças "Malinche" e "Vivir Aqui", que, como em El Predilecto de Los Lepidópteros, partem de realidades concretas para inventar mundos teatrais e poéticos, capazes de tocar, através de um fato longínquo, as pessoas de hoje.

“De qualquer forma e qualquer que seja o veredicto,
vou ver-te depois do processo, poderei apertar-te
as mãos e beijá-las. Até logo, meu amor. Teu Nicholaj”.
(15 de janeiro de 1938)

“Tchau, Nicholaj! Quero dizer-te que jamais
me arrependi de ter ligado a minha vida à tua.
Esquecer-te é impossível. A tua Annuuschka.”
(20 de julho de 1992)

"FRAGMENTOS DE VIDAS DIVIDIDAS" (Português)

de e com Norberto Presta

video

O espelho dá uma imagem que olha para mim sem me ver porque está pensando em outra coisa, estou navegando na história e me perco. Escrevo a história de quem olha no espelho e não sabe quem é, a história de um que é muitos. Penso na Europa em que vivo há um quarto de século, uma sociedade que não se reconhece porque nega o outro, que perde a sua identidade porque nega a sua história, as suas histórias. Que esquece e se torna surda. Que está cada vez pior porque, sem saber ser rica, recusa a sua pobreza; porque, sendo humanista, esquece a sua solidariedade, a sua igualdade, a sua justiça, esquece o que aprendeu sendo vítima e algoz ao mesmo tempo. Esquece.
video
Eu que nasci na Argentina, que antes de ser italiano fui clandestino na Itália, ilegal na Alemanha, eu que hoje sou um europeu com passaporte Argentino, e um latino-americano com passaporte italiano, um argentino de nascimento, italiano pelo meu bisavô, extracomunitário1, imigrante, clandestino, imigrante/emigrado, migrante por vontade e natureza. Quem sou?
A peça “Fragmentos de vidas divididas” não nasceu de uma forma premeditada, surgiu como uma necessidade escondida, a necessidade de reconhecer-se a partir da própria história e, assim, reconhecer o outro; reconhecendo quem não conhecemos, mas em quem nos reconhecemos. Reconhecer a própria história na história do outro, mesmo que cada um tenha a sua própria. Foram várias histórias que escrevi, sem premeditar fazer um espetáculo, mas sou “teatrante” e aquilo que escrevi era uma necessidade que eu posso comunicar apenas como “teatrante”, ou seja, fazendo passar esse texto pelo meu corpo, transformando-o em uma sequência de ações para encontrar uma relação emocional, intelectual, sensorial, física com o público. Eu coloquei todas estas histórias em conjunto, misturei as, foram se contaminando e fui descobrindo que eram fragmentos de vidas divididas.
video

Requisitos técnicos: O espetáculo pretende ser um encontro com o outro, um reconhecer-se num espaço que pode ser casualmente um teatro. Então, a única técnica necessária é a que permita uma iluminação suficiente para poder olhar-se, olhar-nos. Pode ser um pequeno espaço ou uma grande cena, só precisamos de uma cadeira, um conhaque e uma garrafa de espumante ... Saúde!

"EL PREDILECTO DE LOS LEPIDÓPTEROS" (Castellano)

De y con Norberto Presta
Dirección Lambert Blum

video
La historia de un revolucionario ruso que escribe una carta a su mujer poco antes de ser ejecutado. Pero solo 55 años después Anna recibirá la carta y podrá responder a su esposo.

En 1938, poco antes de ser ejecutado, el revolucionario ruso Nicolai Bujarin escribe una carta a su mujer Anna. Esta carta llegará a las manos de su destinataria solo 55 años más tarde y solo entonces padrá Anna dar una respuesta a su marido asesinado.
Este hombre rebelde, al que Lenin definió "El predilecto del partido" y que más tarde fue eliminado por Stalin, era un amante de chistes de doble sentido... y también un amante de las mariposas.
El espectáculo cuenta la historia de amor de Nicolai y de su joven mujer Anna, pero también la historia de un revolucionario. Una obra que trata de amor, de revolución y... de mariposas.
Nicolai Ivanovich Bujarin.
Fue uno de los principales exponentes de la revolución de octubre, más tarde miembro del Comité Central y principal teórico del Partido Comunista Ruso. Bujarin fue una de las víctimas de la vieja guardia bolchevique, que después de los clamorosos procesos de Moscú fueron liquidados por el régimen Stalinista.

"Entonces yo tenía 42 años y ella apenas 16..."

"...¿Cómo puede pretender Norberto que yo, Nocolai Bujarin, a 55 años de mi ejecución, suba a un escenario para hablar de mariposas? Yo soy un revolucionario, no solo un amante..."

"...Nada es más extraordinario que esa metamorfosis que transforma un gusano del aspecto repelente en una bellísima mariposa. Los seres humanos no siempre logran liberarse de la vieja piel. Entre ellos esta fantástica metamorfosis sucede raramente..."

"...En futuro políticos, historiadores, filósofos y hoy también un actor buscarán la respuesta a esta pregunta... ¿Porqué permití que me asesinaran?..."